domingo, 10 de abril de 2011

Carnaval na Venezuela: deserto, cachoeira e praia

Carnaval? Como assim? Na Venezuela tem carnaval? E tu que nunca curtiu carnaval foi? Como é o carnaval aí? Eles ouvem Samba e Axé também?

Temo que não possa responder a maioria dessas perguntas pelo fato de que eu não vivi o carnaval Venezuelano, como festa, mas sim, viajando.
Pelo que consta na internet e pelo que conversei com Venezuelanos sobre o carnaval, ele acontece basicamente de duas maneiras. Uma aquela onde crianças adolescentes e jovens brincam de jogar balão de água. Porém, o que me disseram é que essa brincadeira tem saído do simples brincar pro agredir pelo fato de que algumas pessoas colocam tinta, urina e até fezes dentro do balão.
E a outra parte é na terça feira de carnaval  ter uma parada que parece um pouco com os desfiles no Brasil, mas que acontecem nas ruas, como se pode ver nesse vídeo http://www.youtube.com/watch?v=7SQf_0keUgo . Mais que isso não posso falar já que nem sequer prestei atenção a isso... hehehehe
Como disse, o carnaval foi um feriado onde aproveitei pra viajar, assim como 70% do país, segundo me contou o pai de uma amiga minha.

Sim, viajar. Uma das facilidades que tenho aqui que não tenho em Manaus é o fato de poder ir pro terminal (rodoviária) e pegar um ônibus pra ir pra maior parte do país. E foi o que eu e 4 dos outros trainees aqui fizemos. Miroslav, Abby e eu fomos trabalhar no sábado de manhã carregando nossas mochilas pra sair de lá direto pro Terminal, onde iríamos encontrar com Fumina, que faltou o trabalho para ir ao terminal buscar comprar passagens adiantadas para todos, e Katharina que não trabalha sábado de manhã.
Porém ao chegarmos ao terminal, não havia nenhum ônibus que fosse direto para Coro naquele horário, o único era às 22:00 então quando já estávamos pensando em pesquisar carritos pra ver se conseguíamos um bom preço apareceu um homem dizendo que iam mandar um ônibus pra dentro do terminal que iria direto a Coro que sairia por 100 bolivares. E nos pediu pra esperar no restaurante, depois de uma hora cada um começou a procurar outras alternativas, e a maioria dos carritos queria cobrar 200 bolivares por cabeça até que encontramos um que tinha um carro grande não um carrito que disse que nos levaria por 150 cada. E acabamos decidindo ir, o que acho que foi inclusive uma boa escolha, porque o carro era grande e tinha ar condicionado.

Depois de 6 horas dentro carro e muita música llanera, Fumina pergunta:
- Já chegamos em Tucacas? 
Observação Tucacas era uma cidade que havíamos passado há 3 horas e meia antes... hahahahah

Chegamos a coro na casa da tia da Adriana, professora que trabalha conosco em Alpha. Chegamos antes dela, mas a tia dela sabia que íamos chegar e nos deixou entrar, deixamos nossas coisas e fomos em busca de comer algo. Como tudo em Venezuela é perigoso andar com a Camera a noite na rua, saímos somente com dinheiro pra comer. Na volta compramos pepsi pra misturar com o rum que trouxeram pra fazer cuba libre falsificada.. hahahaha



E como a viagem foi cansativa ficamos ai conversando, até que Adriana chegou e ficamos conversando e tirando foto até a hora de dormir

Primeira noite da Fumina em uma rede, não chegou a ser nem uma noite inteira, que a coluna não aguentou... hahahah

Orquestra Filarmônica Alpha e Las Colinas


Então acabamos indo dormir cedo pra acordar cedo no dia seguinte e irmos a uma cachoeira que Adriana sugeriu, a cachoeira é muito boa, apesar de ter muita gente, mas lá ela encontrou com uns amigos que iam subir por uma trilha pra uma caverna, eu nem queria ir, mas no final como todos decidiram ir resolvi não ficar só e ir também, pra que? descobri que não tenho resistência nenhuma e eu também estava com uma sandália havaiana que me fez cair duas vezes e ficou presa na lama outras duas, acabei decidindo tirar a sandália e ir descalço. Terrível! No final a caverna, não estou lá porque estou tirando a foto obviamente.

 Então, na volta, como é descida e pra baixo todo santo ajuda, foi mais rápido, e tomar banho no rio nunca foi tão bom!!! Tínhamos combinado com um taxista de nos buscar a 4 e ele como bom Venezuelano se atrasou 50 minutos. O que me deixou preocupado porque ainda estávamos contando com chegar aos Médanos de coro antes do final do por do sol. Pausa pra explicar o que são os médanos de Coro. São umas dunas aqui eles dizem ser um deserto, mas não é tão grande quanto o deserto e não termina na praia como as dunas de recife.
Chegamos lá e fomos correndo pra tirar foto, mas o sol já não estava mais lá, porém podemos tirar foto dos últimos raios do sol. Tirei uma meia dúzia de fotos que me deixou feliz e orgulhoso de tão bonitas.

Esses são alguns dos exemplos dessas fotos. 
O mais legal é eu estar lá em em cima de uma duna e de longe a gente ouvia a musica na praça onde tava tendo celebração do carnaval e de repente começam a tocar aquarela do brasil em ritmo de samba... Momento mágico é a gente estar em outro país e ver as pessoas ouvindo musica do seu próprio país, melhor ainda quando é uma música tão bonita quanto essa.



Daí fomos comer e eu comi um pepito coriano, ainda prefiro o Barquisimetano e voltamos pra casa.
Ai descansamos e a Adriana e o pai dela vieram com um quatro e começaram a tocar e cantar umas musicas, muito legal, a que mais goste foi Venezuela.


No dia seguinte tomamos café fomos ao terminal comprar nossa passagem de volta de onibus para a mesma noite e saimos com dois taxistas que tinhamos combinado no dia anterior de nos pegar. E fomos rumo a praia de uma vilazinha que tem praia chamada adícora. Porém no caminho paramos na parte dos medanos que fica pela estrada pra tirar mais fotos e aqui a vista era bem mais bonita do que pela entrada no parque.




 Aqui tiramos várias fotos interessantes e engraçadas entre elas essas. E ao lado o que encontro quando estou indo embora olha o que vejo. Havaianas brasileiras.. hahaha alguem deve ter perdido porque a areia quase suga o que estiver calçando por isso fomos descalços.
Daí para a praia onde ficamos até 6 e meia.





Em caminho de Adícora

Parte da praia boa pra nadar
 Parte ruim da praia pra nadar, muitas algas.
 Ao final inclusive conhecemos uma Coreana que estava lá vendendo arroz chinês e nos ofereceu comida coreana, delícia.


Uma parte da praia que é a água é transparente igual a maioria daqui da Venezuela.


Todos nós já quase no final do dia.


Depois que chegamos, por volta de 8 da noite, tomamos banho, nos arrumamos comemos macarrão e saimos, ainda tivemos tempo de dar uma volta pela parte histórica da cidade, que já estava fechada, mas podemos ver por fora.

Igreja em frente a um passeio na parte histórica.


Este foi meu carnaval, como disse antes já faz é tempo que aconteceu e muitas outras coisas aconteceram, mas eu infelizmente não consigo postar tudo tão rápido quanto vai acontecendo.. heheheh
mas espero que vocês tenham gostado
Abraços
Daniel Thomás


3 comentários:

Mike disse...

oi Dan aki n tem carnaval e nem feriado :)... tb pegamos muito a estrada aki coisa q eu n fazia no Brasil... qd vc volta pro Brasil ?
Aki tb n tem ovo de Pascoa Dan ai tem ? + como eu tive no Brasil trouxe p todo mundo :) besitos

Mike disse...

também ouvi música brasileira aki e quase sai dancando e encontrei a selecao brasileira de capoeira no xops e quase pedi autografo :)

Camila Patty disse...

Que viagem bacana!
Paisagens muito bonitas... Aproveita bem!
Beijos